22
Mai 11

O local desta minha recordação, com 8 anos de idade, era ao

longo deste grande muro, dentro de água na baixa-mar que eu

fazia o caminho da Escola Pedro Elexandrino a té minha casa.

«Imagem recolhida na nete»

 

Da Escola Pedro Alexandrino até minha casa...

 

Da Escola Pedro Alexandrino até minha casa

Era uma paródia pelo caminho mesmo indo sozinho

Mal acabavam as aulas eram horas de se almoçar

Descia até à baía quando estava baixa-mar

Sandálias atadas uma à outra em volta do meu pecocito

A sacola de pano azul  com um nó na grande pega

Encurtada para quando me debruçasse não ficasse molhada

Quem bom que era depois de uma intensa manhã de aulas

Poder andar a chapinhar pelas cristalinas mornas águas

Onde me esquecia por completo do bê-à-bá e das frações

Chapinhava com o imenso prazer de amar a mãe Natureza

Queria muito ver os peixinhos prateadinhos pequeninitos

Ali mesmo em volta dos meus pezitos senti-los de verdade

Parecia que me picavam a pele dos pés saudando-me assim

Quando era época da sardinha oh Céus então era uma farra

O Sarrajão atacava as sardinhas que fugiam para terra

Então eu muito nervoso para não perder uma única sardinha

Do meu chapéu de palha fazia cesto para apanhar sardinhas

Trepava de novo o muro da baía e corria para casa

Moravamos no bairro do C.F.B. da Igreja da Arrábida

A família já estava à mesa muito agastada com o meu atraso

Ingenuamente entrava sala adentro descalço e desalinhado

Chapéu de palha pingando água salgada para o chão

E com muita risada de alegria mostrava um montão de sardinhas vivas

Que de tão vivas estarem saltavam para cima da mesa e para o chão

Perante tanta alegria e ingenuidade meus pais calavam-se

Minha mãezinha dava-me um beijo e mandava-me lavar as mãos

Ou melhor dizendo tomar banho da cabeça aos pés

 

Marcolino Duarte Osório

- Peregrino -

2011-05-22

publicado por Marcolino Duarte Osorio às 07:51
sinto-me: saudavelmente feliz...!!!

Com desejos de bom domingo amigo Marcolino,

«Quando for grande, não quero ser médico, engenheiro ou professor.
Não quero trabalhar de manhã à noite, seja no que for.
Quero brincar de manhã à noite, seja com o que for.
Quando for grande, quero ser um brincador.
Ficam, portanto, a saber: não vou para a escola aprender a ser um médico, um engenheiro ou um professor.
Tenho mais em que pensar e muito mais que fazer.
Tenho tanto que brincar, como brinca um brincador, muito mais o que sonhar, como sonha um sonhador, e também que imaginar, como imagina um imaginador…
A mãe diz que não pode ser, que não é profissão de gente crescida. E depois acrescenta, a suspirar: “é assim a vida”. Custa tanto a acreditar. Pessoas que são capazes, que um dia também foram raparigas e rapazes, mas já não podem brincar.
A vida é assim? Não para mim. Quando for grande, quero ser brincador. Brincar e crescer, crescer e brincar, até a morte vir bater à minha porta. Depois também, sardanisca verde que continua a rabiar mesmo depois de morta. Na minha sepultura, vão escrever: “Aqui jaz um brincador. Era um homem simples e dedicado, muito dado, que se levantava cedo todas as manhãs para ir brincar com as palavras.»
O Brincador,
Álvaro Magalhães
João Nuno a 22 de Maio de 2011 às 14:00

João Nuno!
Você é mesmo um grande Amigão, pelo grande elogio me me deu, na citação que fez, de uma passagem de um texto, deste belissimo Escritor, Alvaro de Magalhães!
Para mim, concretizar certas ideias em palavras, nasceu tarde, apareceu como um passatempo, para colmatar o tempo livre, a mais, da minha aposentação, que se vem tornando num gesto tão essencial, como a necessidade imperiosa dos meus pulmões respirarem...
Mais uma vez açradeço, do coração, este seu honroso elogio!
Um forte abraço de quem também o admira como Ser Humano!
Marcolino

Marcolino,
Este seu texto teve o condão de me transportar ao mesmo sítio onde passou a sua infância.
Vi-o no muro, a apanhar as sardinhas e a sua figura ao chegar a casa, e com ou sem ralhete a familia à mesa.
A visão é clara quando as palavras vêm do coração.
Abraços
Teresa
Teresa(Tété) a 23 de Maio de 2011 às 12:28

Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
16
19

23
25
26

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO