30
Abr 09

                                               Poder viver sem Passado...

                                               
                                               Poder viver sem as tais
                                               Presenças das Ausências
                                               Foi coisa sempre desejada
                                               Por mim
                                               Um dia acordei durante a noite
                                               Por causa de um pesadelo
                                               E resolvi ir ao Médico de Família
                                               Arguto e muito experiente
                                               Sondou-me sobre o meu Passado
                                               Já quase no final da minha consulta
                                               Virou-se para mim e comentou
                                               Meu Amor de Peregrino
                                               Você tem dois remédios que receitarei
                                               Mas só por um deles deverá optar
                                               Ou forneço-lhe químicos
                                               Que ao seu organismo irão deteriorar
                                                E às suas recordações esconde-las latentes
                                               Ou determinar-se-á a esquece-las todas
                                               Mas pelo método inteligente
                                               Para que se volte a amar a si mesmo
                                               Como dantes sempre o fez
                                               Mas qual deles será o menos doloroso
                                               Perguntei-lhe afoito
                                               Olhe cá meu Amigo e Paciente Peregrino
                                               Quando um membro se rejeita ao corpo
                                               Adoecendo com Gangrena
                                               Para que o Corpo se mantenha são e salvo
                                               Há que a esse membro amputar
                                               Por mais feliz que nos tenha feito sentir
                                               Bem antes de tomar essa decisão
                                               Mas Senhor Doutor
                                               Dizem que um membro depois de amputado
                                               Ainda se mostra como se existisse realmente
                                               Presença de Peso e dores
                                               Dores principalmente
                                               Olha cá meu Filho de Deus
                                               Isso é o efeito dos químicos sobre a tua mente
                                               Mas se desejares proceder sem químicos
                                               Que esse Membro deverá ser esquecido
                                               Para bem da tua Saúde Mental
                                               Fala com o teu Anjo de Guarda a Ti
                                               Logo logo Livre das gangrenas ficarás
                                     
                                               Marcolino Duarte Osório
                                               - Peregrino -
                                               2009-04-30
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 07:49

28
Abr 09

                                               Andava preocupado...

                                    
                                               Mas mesmo muito preocupado
                                               Com as origens do termo Saudade
                                               Até que um dia sem nada que fazer
                                               Abri o meu enorme TV que mo revelou
                                               Numa amena cavaqueira entre dois humanos
                                               Um deles perguntou sobre a Saudade
                                               E o outro singelamente respondeu
                                               A tal de Saudade é a Presença da Ausência...
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                               - Peregrino -
                                               2009-04-28
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 01:20

27
Abr 09

                                               A Deus...

                                               
                                               Através dos seus Anjos
                                               Nada lhe é impossível Realizar
                                               Em cada um dos seus Filhos
                                               Há quem não acredite
                                               Mas eu acredito
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                               - Peregrino -
                                               2009-04-27
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 01:25

26
Abr 09

                                                                 

                                               Consta muita coisa boa
                                               Até consta a Liberdade
                                               A Liberdade da Fraternidade
                                               A Liberdade do Bem-Fazer
                                               A Liberdade da Reunião
                                               A Liberdade do Falar
                                               A Liberdade da Escrita
                                               A Liberdade da Pornografia
                                               A Liberdade da Santificação
                                               A Liberdade do Criticar
                                               A liberdade do Espezinhar
                                               A Liberdade do Achincalhar
                                               A Liberdade da Selectividade
                                               A Liberdade do Elogio
                                               A Liberdade do Escutar
                                               A Liberdade do Calar
                                               A Liberdade do Extremo
                                               A Liberdade da Riqueza
                                               A Liberdade da Pobreza
                                               A Liberdade de Votar ao Abandono
                                               A Liberdade do Igual
                                               A Liberdade do Diferente
                                               A Liberdade do Situacionista
                                               A Liberdade de Votar
                                               A Liberdade da Abstenção
                                               A Liberdade do Trabalho
                                               A Liberdade do Despedimento
                                               A Liberdade da Valentia
                                               A Liberdade do Medo
                                               A Liberdade Politica
                                               A Liberdade Religiosa
                                               A Liberdade de Ser Livre
                                               A Liberdade de Viver em Gueto
                                               A Liberdade de Gostar
                                               A Liberdade de Não Concordar
                                               A Liberdade da Liberdade
                                               Liberdade que acaba na Fronteira
                                               Da Invisível Fronteira da Liberdade
                                               Da Realidade da Liberdade
                                               Da Liberdade do meu Semelhante
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                               - Peregrino -
                                               2009-04-26
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 19:28

24
Abr 09

Onde estava eu no dia 24 de Abril de 1974...

 
Como sempre nos acontece há recordações que marcam as nossas vidas, por longo tempo. Umas mais. Outras assim-assim. A maioria passa para o Vale dos Esquecimentos, no caso foi isso que sempre aconteceu, e acontecerá, comigo.
 
Vagueando pelos meandros das minhas boas memórias, dei comigo a recordar o dia 24 de Abril de 1974 aqui dentro da minha casa, sentado nesta mesma sala, mas em vez de estar a sós comigo mesmo, nessa noite, além da minha companheira, e da nossa filhita mais velhita, apenas com 2 meses e seis dias de idade, estava a partilhar o serão connosco, o meu irmão mais novo.
 
A conversa versava sempre pelos nossos temas preferidos. Os dele, eram os desportos náuticos e os karts, já tinha posses para isso. Os meus, a fotografia e os automóveis do dia-a-dia. Os da mãe da nené, as suas preocupações diárias com os seus alunos.
 
As horas passavam lestas. A conversa abundava sem parar.
 
A dada altura escutei pela rádio, porque televisão não tínhamos, nem teríamos tão cedo, a famosa Grândola Vila Morena. Fiz-lhes sinal para escutarem. Boquiabertos, olhamo-nos estupefactos, como querendo adivinhar o significado de estarmos a escutar uma Canção Interventora, proibida, na altura, de ser escutada por todos nós.
 
Num lampejo, recordamo-nos do Movimento das Caldas da Rainha. Achamos que havia relação com aquilo que acabáramos de escutar. Sorrimo-nos com cumplicidade, mas num misto de preocupações futuras, sem tecermos muitos comentários.
 
Duas horas depois, cá em casa, dormia-se profundamente!
 
Seis da manhã, do dia 25 de Abril de 1974, hora habitual de me levantar, e a nossa filhota tomar o seu leitinho, arranjei-me, como normalmente sempre o fiz, e saí de casa sem suspeitar de nada, porque nunca foi hábito meu ligar o rádio tão cedo, pela manhã.
 
Por volta das sete e trinta, já a caminho da paragem dos autocarros, da Barraqueiro, dou de caras com um grupo de vizinhos, muito eufóricos que me anunciaram a Boa-Nova: A Revolução estalara. Fora anunciado pela rádio.
 
De um dos pequenos rádios portáteis escutei um dos muitos Comunicados do Movimento das Forças Armadas.
 
Não valia a pena deslocar-me para Lisboa porque os Autocarros não passavam para além do Quartel do Lumiar. As viagens passaram a ser à borla. Quem o desejasse que fosse!
 
O início da manhã estava morno. Recusei a viagem até Lisboa, porque dali até ao meu local de trabalho, sito na Rua Rosa Araújo, uma das transversais da Avenida da Liberdade, ainda seria perto de hora e meia a andar a pé!
 
Regressei a casa e, pelo caminho, ía cogitando em tudo aquilo que estava acontecer, sem ter quaisquer notícias concretas.
 
Chegado a casa, minha companheira, muito admirada com este meu regresso extemporâneo, perguntou-me o que me acontecera. Liguei o pequeno rádio portátil, levei-lho e disse-lhe para ir escutando as notícias, enquanto eu tentaria comunicar, via telefone fixo, um dos meus chefes, e os pais dela.
 
Da Companhia quaisquer dos telefones não atendia. Sintoma de não estar alguém por lá. Liguei para casa de um dos meus chefes que me informou ser melhor ficar por casa, pois as actividades comerciais estariam a zero durante uns dias. E assim aconteceu.
 
Liguei para casa dos pais da minha mulher e dei-lhes a saber que por cá estava tudo bem. Saberiam tanto como nós se seguissem os noticiários da TV e da Rádio.
 
Passados dias, iniciadas as actividades comerciais, fui confrontado com uma situação novíssima no mundo laboral. No espaço de uma semana vi o meu salário subir de 6.500$00 para 11.500$00 por via de um aumento geral igual para todos, menos para as chefias e directores. Mas como em Janeiro desse ano já se havia estipulado os montantes individuais dos aumentos gerais e aumentos de mérito, vi o meu salário subir para 12.500$00, cerca de 30 dias após o 25 de Abril.
 
Resultado destes dois aumentos. Aventurei-me a negociar um carro em segunda mão, um Fiat 600, em exposição num Concessionário da Fiat, a Auto Diniz de Almeida e Freitas, Lda., sita na Av. da Liberdade, cujo sócio gerente maioritário, era das minhas relações, de amizades antigas. Comprei-o, para facilitar as nossas deslocações diárias com a bebé recém-nascida, assim que a mãe reiniciasse a sua actividade laboral, como professora.
 
Comprei também uma máquina de lavar roupa, por causa das fraldas da bebé.
 
Não comprei televisor porque alguém se encarregou de nos oferecer um Grunding a preto e branco, para estarmos mais a par das notícias.
 
A vida ía rolando benfazeja, como todos se deverão recordar. Mas os nossos vencimentos, o da minha esposa e o meu, juntos davam e sobravam para fazermos a vida a que sempre estivemos habituados: Viver com frugalidade, sem luxos alguns, nem consumismos desnecessários.
 
O vencimento dela era para por no banco por inteiro. Do meu saíam as importâncias necessárias para a renda da casa, 950$00, alimentação, água, electricidade, gás, 12 prestações do carro, e 6 da máquina de lavar roupa, gasolina, em fim, uma vida folgada em que a metade do meu vencimento ficava junto ao da minha mulher, na nossa conta conjunta.
 
Recordo esses tempos, neste momento de muito boas recordações, como uma grande evolução nas nossas vidas pessoais, a todos os níveis
 
Em 1975, neste prédio de 40 famílias, onde ainda moro, existiam apenas 3 carros. O meu Fiat 600, um Austin Mini de uma senhora bancária, mãe solteira, com dois gémeos para educar, e uma furgoneta Ford Escort, pertencente a um exímio mecânico de um dos Concessionários Ford, a Auto Rali, Lda. Este senhor, somos ainda muito chegados, estabeleceu-se de imediato como reparador de automóveis, multi-marcas, e hoje é um dos distribuidores oficiais da Renault na Zona de Loures.
 
No ano seguinte, 1976, quase todos os moradores deste prédio se deslocavam em transporte próprio. Hoje, 2009, das 40 famílias iniciais, apenas 3 famílias se mantêm por cá.
 
Em 1976, eu e a minha mulher, com um grupo de moradores deste prédio, sugerido, e apoiado, pela nossa Comissão de Moradores, de então, fundámos o Jardim Infantil "O Saltarico", que começou a laborar no início do ano lectivo de 1977. Fundamo-lo com intuitos não lucrativos. Foi sempre uma obra de carácter social com vista ajudar os mais desfavorecidos que necessitavam deixar os filhos a custos baixos com alguém que os educasse.
 
Este Jardim de Infância ainda hoje existe, subsidiado pelo Estado, mas funciona pelos métodos actuais, a custos do ensino particular, para os seus utentes.
 
Entretanto passaram-se 35 anos. Envelhecemos outros tantos. Sonhámos muita coisa boa. Realizámos o que nos deixaram. Na altura nem Junta de Freguesia havia. Foi eleita por todos nós. Hoje usufruímos da sua existência que tem vindo a dar a este grande burgo grandes apoios sociais.
 
Até uma belíssima Piscina Municipal foi por aqui construída, onde novos e velhos vão dar as suas braçadas diariamente Campos de jogos polivalentes apareceram para nos darmos ao trabalho de jogar aos fins-de-semana. Alguns Campos de Ténis também foram construídos Grandes espaços verdes foram criados com zonas pedestres e de manutenção física, também foram criados.
 
Na altura nem médicos existiam por aqui. Tínhamos que ir a Loures às consultas, ou recorrer às Urgências do Hospital de Santa Maria, em Lisboa. Hoje temos um excelente Centro de Saúde, pelo qual lutamos anos a fio.
 
Um rico e funcional posto da PSP, uma Estação dos Correios, 3 Bancos, vários Restaurantes, muitos Cafés, 3 Farmácias, algumas casas comerciais diversificadas, vários talhos, mercearias de bairro e, mesmo no topo de Santo António dos Cavaleiros, bem servido de transportes, de 15 em 15 minutos, há um complexo logístico apoiado pela organização Continente.
 
Eis a minha singela homenagem aos vitoriosos do Movimento das Forças Armadas que concluíram com êxito, o processo que deu início à nossa novíssima Democracia Portuguesa!
 
Marcolino Duarte Osório
- Peregrino -
2009-04-24
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 07:19

23
Abr 09

 

                                               Algures dos Céus...
                                               
                                               A este Planeta Terra
                                               Me enviaram
                                               Para de Pai e Mãe nascer
                                               Nasci num Continente
                                               Nasci num País
                                               Nasci numa pequena cidade
                                               Aí cresci
                                               Aí me fiz homem
                                               Daí parti para outro Continente
                                               Onde me instalei
                                               Como se para sempre pudesse ficar
                                               Um dia casei-me
                                               Algures dos Céus
                                               Duas lindas Almas
                                               Tomaram formas de Afectos
                                               Em dois lindos Corpos de Humanos
                                               Por aqui
                                               Neste pequenito apartamento
                                               Cresceram e se fizeram Doces Mulheres
                                               Tal como a mim aconteceu
                                               Também deixaram a casa Paterna
                                               Cada uma seu Lar Fundou
                                               De cada uma delas
                                               Outros Corpos
                                               Duas Alminhas alojam
                                               Outros Corpos com Outros Corpos
                                               Novos Corpos darão
                                               Para Alminhas Novas neles se guardarem
                                               Estava muito bem a escrever isto
                                               Quando um Anjo me apareceu e questionou
                                               Oh doce Alma Peregrina
                                               Que Corpo Novo já tiveste
                                               Que tal te sentes em Corpo Usado demais
                                               Olhei o Anjo resplandecente à minha frente
                                               Se me vens buscar agora
                                               Deixa-me acabar este texto
                                               Para a todo o Mundo poder Anunciar
                                               Enquanto vivi
                                               De tudo da Vida usufrui e saboreei bem Feliz
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                               - Peregrino -
                                               2009-04-23
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 02:38

21
Abr 09

 

                                               Ilda Figueiredo...
                                               
                                               Ilda Figueiredo uma Senhora
                                               Uma Senhora e uma Mulher
                                               Na Postura e na Compostura
                                               Acima de todos Inteligentemente
                                               Conseguiu calma e tranquilamente
                                               Passar-nos a sua Mensagem
                                               Dos restantes
                                               Três nenés num Infantário Politico
                                               Que nos mostraram abertamente
                                               Fazer Politica de Terra Queimada
                                               Convidando os Portugueses
                                               A votar na Abstenção
                                               Tardiamente reaparecido
                                               Um Velho de Brancos Cabelos
                                               Mais arguto que a própria Argúcia
                                               Fez-lhes o que se deve fazer
                                               Deixou-os partir a loiça toda
                                               Deixou-os quebrar os vernizes
                                               Deixou-os mostrar a sua Incompetência
                                               Prós-e-Contras desvendou-lhes
                                               A sua Iliteracia Política
                                     
                                               Marcolino Duarte Osório
                                               - Peregrino -
                                               2009-04-21
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 13:30

20
Abr 09

 

                                               Um dia fiquei sozinho...
                                              
                                               Sem Família
                                               Sem bens materiais
                                               Porque Deus assim o desejou
                                               Revoltei-me contra Ele
                                               Sem nada entender
                                               O que Ele de mim queria
                                               Blasfemei
                                               Gritei
                                               Esperneei
                                               Em vez de parar para pensar
                                               Deixei-me cansar até à exaustão
                                               Como a um Cavalo Selvagem acontece
                                               Aí Deus
                                               Meu Anjo da Guarda mo enviou
                                               Muito a medo
                                               Com Ele me fui reencontrando
                                               Aresta a aresta
                                               Me foi aperfeiçoando
                                               Dos meus Passados
                                               Me foi libertando
                                               Até aos dias de hoje
                                               O Milagre foi tal
                                               Que nem me dei ainda conta
                                               De estar sozinho
                                               Sem Família
                                               Sem bens materiais
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                               - Peregrino -
                                               2009-04-20
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 05:53

 

Um dia destes…
                                              
Passarei do sonho à realidade
Decidi-me mesmo agora
Que minhas Vestes despirei
Para d’outras Vestes me vestir
Aquelas certas por acertadas
Bem assentes e bem talhadas
Todas as Arco-Irenses Vestes
Dos Homens Universalistas
Irmanando-me a todos vós
Cantando-nos em uníssono
Nossos poemas sem Diásporas
Da tal de Paz com muito Amor
Em Solidariedade Universal
Entre todos os unidos Irmãos
Já sem Lágrimas das Diásporas
                                              
 Marcolino Duarte Osório
- Peregrino –
                                                2009-04-20
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 01:39

publicado por Marcolino Duarte Osorio às 00:26

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

15
16
17
18

19
22
25

29


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO