30
Jun 09

                                Agora já é tarde...

                                               
                                               Refiz
                                               Refizemos
                                               Eu e as minhas duas Filhas
                                               Um relacionamento
                                               Quebrado
                                               Por alguém
                                               Sob anonimato
                                               Que deturpou
                                               As verdades
                                               Que levantou
                                               Falsos testemunhos
                                               Que destruiu
                                               Temporariamente
                                               Uma união sentimental
                                               Entre Filhos e seu Pai
                                               Quase que conseguiu
                                               Ser convincente
                                               Mas do quase não passou
                                               Venceu a Inteligência
                                               Venceu o Amor Filial
                                               Acolheu-as o Amor de seu Pai
                                               De novo somos uma Família
                                               Unida e Inteligente
                                               Pela Internete
                                               A mim deixam-me escrever
                                               Pela Interne
                                               Já ficaram a conhecer
                                               Os meus Escritos falsificados
                                               Os meus Textos Plagiados
                                               As anónimas Fotografias Pornográficas
                                               As anónimas Mentiras Sórdidas
                                                Os anónimos Ataques Soezes e Cirúrgicos
                                               Delas escutei
                                               Pai jamais esmoreças
                                               Que é isso que esse ser diabólico quer
                                               Porque os Fantasmas Não existem
                                               E esse Fantasma
                                               Quanto pior de ti disser
                                               Mais valor todos te darão
                                               Porque tens rosto
                                               Porque tens leitores
                                               Porque tens Valor Humano
                                               Os Fantasmas
                                               Êsses desalmados
                                               Nem no Inferno lugar lá têm
                                               Porque de Fantasmas não passam
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                                        - Peregrino -
                                               Albufeira - 2009-06-30
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 09:30

28
Jun 09

                                Reaver filhos...

                                               
                                               Afastados de nós
                                               Por gente sem escrúpulos
                                               Sem rosto e sem nome
                                               Escondendo-se sob pseudónimos
                                               Não é Obra de um mero Acaso
                                               É sim
                                               Obra da Inteligência Divina
                                               Que à Porta que me fecharam
                                               Abriu-lhes uma Janela
                                               A Janela da Verdade
                                               A Janela do Amor pelo seu Pai
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                                        - Peregrino -
                                               Albufeira - 2009-06-28
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 01:14
sinto-me: Estou bem Feliz...!

26
Jun 09

                                Michael Jackson Morreu...

                                               
                                               Quando ele nasceu
                                               Tinha eu 17 anos
                                               Crescemos ambos
                                               Em vidas diferentes
                                               Em diferentes gostos
                                               Em no mesmo Tempo
                                               Dos diferentes Tempos
                                               Dos Tempos dos nossos Tempos
                                               Ele chegou aos cinquenta anos
                                               Morreu de um momento para o outro
                                               Só ele e Deus sabem do que Morreu
                                               Eu cheguei aos sessenta e sete anos
                                               Quantos mais durarei não sei
                                               De que morrerei
                                               Só Deus e eu depois saberemos
                                               Michael Jackson Morreu
                                               Mais de três quartos da Humanidade
                                               Parou
                                               Chorou
                                               Recordou
                                               Todos dizem que dele gostavam
                                               Ninguém sabe como ele começou
                                               Ninguém se recorda já
                                               Da exploração de que foi alvo
                                               Desde que nasceu para os espectáculos
                                               Ninguém se recorda já do tal nené prodígio
                                               Que encantava com o seu cantar
                                               Prisioneiro da Máquina Publicitária
                                               Prisioneiro da Exploração
                                               Dos familiares
                                               Dos Agentes
                                                Prisioneiro da Infelicidade
                                               Familiares e agentes Choram Lágrimas Falsas
                                               Porque a Galinha dos Ovos de Ouros Morreu
                                               A Infelicidade
                                               Essa
                                               Alivia-se
                                               Dos Opressores Gananciosos
                                               Que dele fizeram um Escravo
                                               Que se sentiu tão escravo
                                               Que a Cor da sua Pele desejou Mudar
                                               Dele nada me fica
                                               Porque a ele nada me ligava
                                               Michael Jackson Morreu
                                               Como um dia irei Morrer
                                               Ele deixou Obra
                                               Dizem-me já muitos
                                               Quem dos vivos
                                               Neste planeta Azul
                                               Alguma vez por cá andou
                                               Sem obra deixar ficar
                                               O apodrecer das Carnes
                                               O Transformar os Ossos em Pó
                                               Também é Obra
                                               Obra da Natureza de cada um de nós
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                                        - Peregrino -
                                               Albufeira - 2009-06-26
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 23:17
sinto-me: Lagrimas ... se nos encantaste

                                Arvores Genealógicas...

                               
                                               Certas Zangas...
                                               Envolvendo Filhos e Pais
                                               Quiçá Famílias inteiras
                                               Nascidas Animalescamente
                                               Pela Irracionalidade Desumana
                                               Tornaram-se no dia-a-dia
                                               Dos Seres Humanos
                                               Actos normais
                                               Vulgaridades
                                               Chamemos-lhes assim
                                               Ninguém é perfeito
                                               É Dever e Obrigação
                                               Dos menos agressores
                                               Calmamente
                                               Sistematicamente
                                               Educar para melhor
                                               Quem tem tendências destas
                                               Há os que aceitam melhorarem-se
                                               Há os não aceitam esta evolução positiva
                                               Quando as coisas estão mesmo más
                                               Isto é
                                               Quando os Feitios são mesmo Maus
                                               Não há Berço
                                               Não há Brazão
                                               Não há Riqueza Material
                                               Não há Estatuto Social
                                               Não há Cursos Superiores
                                               Não há Profissões ditas Nobres
                                               Apenas existe um Ponto de Fuga
                                               Para esta Gentalha Desumana
                                               Com um nome pomposo
                                                Clã Matriarcal
                                               Clã Patriarcal
                                               Uma Paliçada de Mentiras Sociais
                                               Que escondem muita coisa
                                               Crimes de abandono
                                               Crimes de exclusão
                                               Quiçá Crimes de Sangue também
                                               Enquanto existem
                                               Dinheiros e Propriedades
                                               Um ainda vivo Chefe do Clã
                                               Com pulso de ferro
                                               Chantagem emocional q.b.
                                               Anda tudo na perfeição
                                               Por causa da Herança
                                               Não vá ficar alguém prejudicado
                                               Com uma atitude não admitida pelo Clã
                                               Os Chefes do Clã
                                               Pela Lai Natural da Existência Humana
                                               Morrem
                                               Depois das exéquias
                                               Inicia-se a Fastidiosa e Honorabilissima
                                               Procissão
                                               Das guerras do tens mais que eu
                                               Altercações atrás de altercações
                                               Corte de relações
                                               Delapidação do Património do Clã
                                               Deixam de frequentar a mesma Missa
                                               Passam a comungar todos no Inferno
                                               Do Unido e mal encaixado Clã
                                               Tal como se de um Puzzle se tratasse
                                               Soltam-se as peças
                                               Uma a uma
                                               Ou então em grupelhos
                                               Umas perdem-se no tempo
                                               Outras perdem-se no espaço
                                               Outras perdem-se em ambos
                                               Outras são jogadas fora
                                               Para o lixo do estás a mais
                                               Os anos rolam implacáveis
                                               Peça a peça vão desaparecendo
                                               Até que um belo dia
                                               Alguém ainda sem rugas nas faces
                                               Alguém mais são e mais curioso pergunta
                                               Será que tive antepassados
                                               Quantos tive
                                               Originários de onde
                                               Quais os seus nomes
                                               Quais os seus Cruzamentos
                                               Que contributo deram na Terra
                                               Até que outro belo dia
                                               Esse alguém mais arguto que curioso
                                               Reproduz
                                               Em Forma de Frondosa Árvore
                                               Uma calculista Árvore Genealógica
                                               Calculista sim senhor
                                               Porque nesses Frondosos Ramos
                                               Cuja folhagem são Nomes
                                               Dos seus antepassados
                                               Estão bem escondidos
                                               Por Omissão
                                               Os pecadilhos do Clã
                                               Abandono
                                               Roubo
                                                Crimes de Sangue
                                               Doenças Venéreas
                                               Doenças Mentais
                                               Quiçá nem na Torre do Tombo
                                               Ainda mais atrás se consegue ir
                                               Porque o Tempo deteriora os Papiros
                                               E há mãos feitas ventos da História
                                               Que aos papiros fazem voar...
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                                        - Peregrino -
                                               Albufeira - 2009-06-26
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 02:47
sinto-me: Fora da Engrenagem...

25
Jun 09

                                A Morte Não é o Fim...

                                              
                                               Porque é uma Meta Invisível
                                               No quotidiano de cada Ser Humano
                                               Ninguém a busca
                                               Nem de bom
                                               Nem de mau
                                               Grado
                                               Quem a buscou
                                               De viver teve medo
                                               Quem a repudia
                                               Ama a Vida no seu Pleno
                                               Viver
                                               É das maiores Felicidades
                                               De cada Ser Humano
                                               Mas Viver Feliz
                                               É muito mais que Felicidade
                                               É estar de acordo com o que tens
                                               É estar de acordo com o que és
                                               É Aceitar humildemente
                                               A Vontade Suprema de Deus
                                               Nossas Vidas são tão desiguais
                                               Como cada dedo das nossas mãos
                                               Nas suas funções
                                               Nas impressões digitais
                                               Assim sendo
                                               Não te sentes inferior aos outros
                                               Nem superior desejas ser
                                               Nem te sentes ser
                                               Um igual entre desiguais
                                               A Caminhar teu Dia-a-Dia
                                               Uns andam aos pares
                                               Eles e Elas
                                               Elas e Elas
                                               Eles e Eles
                                               Outros a sós consigo mesmo
                                               Assim sendo
                                               Dá Deus Forças a Ambos
                                               Dá Forças de ambos a um só
                                               Um dia revoltaste-te
                                               Gritaste com Deus
                                               Só por seres diferente
                                               Da revolta veio o Choro
                                               Do Choro veio a Súplica
                                               Da Súplica um Amainar Geral
                                               Do amainara Geral
                                               A tua Obediência a Deus
                                               O cumprimento das Suas Vontades
                                               Até à Tua Paz de Espírito
                                               Perdeste os Medos
                                               Às incertezas dos Dias
                                               Aos negrumes das Noites
                                               Passou tudo a ser Fácil e Claro
                                               Passou habitar em ti
                                               A Força Invisível de Deus
                                                A Voz que te guia desde que Nasceste
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                                        - Peregrino -
                                                Albufeira - 2009-06-25
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 01:10
sinto-me: Deus deu-me uma Preda...!

22
Jun 09

                                A Praia dos Velhos...

                                              
                                               Pelas 9 da manhã
                                               Quando da praia regressava
                                               Apercebi-me de algo diferente
                                               Um caminhar noutro sentido
                                               E pelas caras
                                               Peles bem morenas
                                               Cabelos bem alvos
                                               O sentido seria mesmo outro
                                               Quem me trouxe de regresso
                                               Apresentava sorriso maroto
                                               Eu nem cá nem lá
                                               Estava mortinho para a casa chegar
                                               Depois de almoçar
                                               Depois da minha sesta
                                               Fomos visitados por velhos amigos
                                               Chá e torradas feitas na altura
                                               Conversa solta
                                               Como pardais em busca de grãos
                                               Sou surpreendido
                                               Pela curiosidade de um dos presentes
                                               Já lá foste
                                               Onde perguntei
                                               À praia dos velhos
                                               À Praia dos Velhos
                                               Perguntei meio admirado
                                               Completo não
                                               Porque pelos Algarves
                                               Já quase nada me admira
                                               Sim à Praia dos velhos
                                               Não
                                                Nem sei onde isso fica
                                               Gargalhada geral
                                               Interrompi-os
                                               Alto aí...
                                               Mas a que horas...
                                               Das 10 em diante
                                               Não
                                               A essa hora já estou de novo em casa
                                               Um dia destes tens de lá ir
                                               Mas fazer o quê
                                               Ver aquelas miúdas boazonas
                                               Morenarem-se
                                               Sem pinta de roupa
                                               Sem pinta de pelo
                                               Parecem frangos da Guia
                                               Rodando sobre si mesmos
                                               Bem torradinhos
                                               Prontos a ser manjados
                                               Tá bem abelha
                                               Logo agora que estou de dieta...
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                                        - Peregrino -
                                               Albufeira - 2009-06-22
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 22:38
sinto-me: Sun Light

Ajudas...!

 
Durante grande parte da minha vida neste belíssimo Planeta Azul fui, como todos nós, um ser saudável, apesar de ter nascido num Continente onde sempre grassou a Poliomielite, vulgo Paralisia Infantil, a Biliosa, a Tripanossomíase (Doença do Sono), o Paludismo, e a Hidrofobia, vulgo Raiva.
 
De todas estas doenças, todos nós, seres humanos, nascidos no Continente Africano, fomos afectados, principalmente pelo Paludismo. O Índice de mortalidade infantil, décadas de 40 e 50, era assustadoramente elevado.
 
Em miúdo, com os meus 8 anitos, fui mordido por um cão doente com Hidrofobia e, o tratamento, recordo-me, foram injecções na barriga, durante não sei quantos dias, e as dores que essas aplicações injectáveis se faziam sentir em mim, foram de tal forma horríveis que, ainda hoje, me recordo, dessa fase da minha vida, com algum constrangimento. De resto, fora as avitaminoses, e as furunculoses, fui um felizardo, em relação a outros conterrâneos.
 
Estas Doenças Tropicais, algumas mortais, outras altamente depauperantes para os organismos humanos, a quem passa por elas, e sobrevive, deixam mais marcas físicas que psicológicas.
 
Cedo me habituei às faltas de saúde!
 
Quando, em 1969, vim para Portugal, definitivamente, frequentei durante uns dois anos o então Hospital do Ultramar, para prevenir qualquer recidiva. Graças a Deus tudo ficou sanada e, ao fim de 5 anos, estava completamente liberto do Paludismo.
 
Quando em 1991 fui confrontado com a minha perca de visão, progressiva, entrei em pânico, pois tinha uma família a sustentar, tinha uma vida a viver que, desejava eu, fosse, nem pesada a mim, nem pesada à minha família!
 
O meu Calvário começou nessa altura, mas fiz tudo, mas mesmo tudo, para nunca me tornar num dependente! A força anímica de que me muni, instintivamente, para poder vencer o meu medo de ficar cego, para poder ser autónomo, e deixar a família tranquila, e despreocupada, não foi entendida assim, pela minha ex-mulher, que me passou a achar, não um lutador, dos pés à cabeça, mas sim, uma pessoa irredutível, irascível, coisa que nunca tinha acontecido até aí.
 
Resolvi recorrer a um Psicólogo, com receio de estar a proceder de forma errada.
 
Rapidamente cheguei à conclusão de que a minha, demasiado extremosa, esposa, tinha mais medos que o seu marido, e tratou de me querer prender em casa, coisa que não lhe permiti, porque desejava sentir-me útil. Porque desejava adaptar-me, lentamente, à minha lenta, mas drástica, nova situação.
 
De início, dei muitos tropeções e variadíssimos tombos. Magoei-me, como acontece com os nenés..., mas, rapidamente, adaptei-me e aprendi a andar, tal como hoje ando, quase sem se notar que vejo muito mal.
 
Resultado: Em 1999, como não conseguia controlar-me a sua maneira, como ela achava que era certo, e os médicos não…, a sua instância, assinamos o Divórcio Amigável. Ela seguiu para onde desejou. e eu fiquei por Lisboa!
 
Em 2001, adoeci, emagreci drasticamente, até aos 51 quilos, fui operado de urgência ao Intestino Delgado, fiz quimioterapia e fui dado como curado.
 
Nessa altura, pela experiência de Vida ou Morte, com 58 anos de idade, depois de recuperado, fisicamente e psicologicamente, convidado, entrei para um grupo restrito de Visitadores Voluntários, não no Hospital onde havia sido operado, mas sim no I.P.O. de Lisboa.
 
Quando para lá entrei, não foi com o intuito de me dar a conhecer como um ex-canceroso, mas sim escutar quem por lá estava internado, passando por aquilo que eu já havia passado, quiçá em muito mais grave estado de saúde que eu, alguma vez, tenha estado.
 
Além de ajudar, pelo escutar atentamente as pessoas, também me ia fortalecendo psicologicamente, no meu estado de alma, o que, aumenta, de forma invisível, consideravelmente, a capacidade de regeneração orgânica! É das estatisticas!
 
Em 2004, numa noite de inverno, levantei-me indisposto, fui até à cozinha, beber um pouco de água com sumo diluído De repente, uma forte dor intestinal, transformou-se numa abundante hemorragia. Com duas toalhas de banho, só, sem ninguém, porque foi essa a minha opção de Vida, continuar a minha Caminhada, sem ter medo algum de estar só e sem ninguém, fiz uma enorme fralda. Com calma e discernimento, liguei para os Bombeiros de Loures, dos quais sou sócio há muitos anos, e lá fui internado, de novo. Levei 4 unidades de sangue, e três dias depois estava em casa, seguro e afoito para continuar a minha caminhada. Como prevenção fiz Quimioterapia, que resultou em pleno.
 
Agora, em 2009, numa visita de rotina à minha médica de família, antecipou de Julho para Abril, deste ano, o rastreio anual, ao meu intestino Delgado. Atempadamente reiniciei a Quimioterapia que, aplicada a tempo e horas, sob indicação e vigilância médica, está a ter resultados surpreendentes, até para os próprios clínicos, esses sim, sim senhor, a quem me insultou, escondido sob anonimato, esses é que são profissionais de Saúde!
 
Apesar de ser insultado, pela internete, por gente escondida pelo anonimato, Seres Humanos que, graças a Deus, ainda não passaram por este Estágio de Vida, perca progressiva da Visão e Neoplasia localizada no Intestino Delgado, devidamente controlada clinicamente, continuarei, até ao meu último dia de Vida Física, a contribuir com o meu Exemplo de Vida, tal como fazem Colunáveis, respeitados, porque, além de Seres Humanos, são protegidos pelos Média, o que lhes confere, segundo aqueles que me insultam, honorabilidade que eu jamais tive...
 
Será que quem se esconde sob annimato, e insulta dessa torpe forma, soube, alguma vez na vida, o que é Honorabilidade?!
 
A Doença. A Dor Física. O Medo de Morrer. Dão-me uma Força Anímica, Invisível, tão grande, mas tão grande que, esses Seres Humanos, em vez de me fazerem desistir, calando-me, perante seus contínuos e torpes insultos, anónimos, tão desprovidos de Humanidade, só fazem com que eu continue a agir, para com esses Seres Humanos, como ajo contra a Doença, contra a Dor Física, e contra o Medo de Morrer!
 
Não tenho quaisquer medos de vós, nem da falta de saúde!
 
Posto isto, bem Hajam Amigos, porque, sem se darem conta, contribuíram, decisivamente, definitivamente, positivamente, para o aumento, até ao seu auge, da minha Força de Viver a Vida que Deus me deu, a Vida que tanto Amo, a Vida que somente ELE me poderá tirar!
 
Marcolino Duarte Osório
         - Peregrino -
Albufeira - 2009-06-22
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 11:17
sinto-me: E o nosso Sol brilhará sempre

13
Jun 09

O Medo...

 
Decorria o ano de 1979 quando, ao virar do avesso, velhas papeladas, guardadas em caixas de cartão, daquelas dos sapatos, dei com um envelope amarelecido pelo tempo, que tinha escrito, a tinta desbotada, os seguintes dizeres: Se estiver Vivo abrir este envelope daqui a 5 anos (1966). Se estiver Morto, por favor, queimem-no sem ler o seu conteúdo. Lobito, Junho de 1961.
 
Acendi um cigarro. Aspirei bem o fumo. Expeli-o lentamente, enquanto, a medo, olhava o envelope.
 
Não me recordava nada dele. Nem imaginava o que teria escrito. Nem sonhava o me me havia levado a fazer tal coisa.
 
A Medo lá o abri calmamente. Cheirava aquele papel bafiento. Dava a impressão que me fazia coceira nas mãos.
 
Uma vez aberto, retirei do seu interior, uma folha no formato A4, muito amarelada, e sem linhas, manuscrita, a tinta azul, muito esbatida, de caneta de tinta permanente.
 
Não vou reproduzir na íntegra o que por lá estava mas era uma Prova evidente do meu Medo de morrer na Guerra Colonial.
 
Nesse ano, 1961, havia sido apurado para todo o Serviço Militar. No ano seguinte consegui o tão desejado Adiamento para continuar os meus estudos de Medicina. Em 1963 não me renovaram o Adiamento e ingressei no Exército.
 
A vida deu muitas voltas. O tal envelope ficou no role dos esquecidos e, por mero acaso, 18 anos depois, o encontrar, abrir, ler o seu conteúdo, mostrar a minha mulher que, após lê-lo, propôs-me que lhe chegasse fogo, pois era uma recordação, demasiado dura de roer, de um jovem que sofria psicologicamente, que sofria por antecipação, porque não sabia se estaria vivo ou morto dali a 5 anos, porque havia sido apurado para todo o Serviço Militar, quando o seu maior desejo era o de cursar Medicina!
 
Porquê estou a partilhar isto convosco?!
 
Hoje fui à Farmácia, ao final da tarde, aviar duas Receitas Médicas, para dois medicamentos, cuja primeira toma, acaba amanhã de manhã. Estava bastante calor. De minha casa, até lá, a pé, são cerca de 3 quilómetros. No regresso passei pelo Laboratório de Análises Clínicas, levantei as análises e dirigi-me ao Posto Médico, para as mostrar à minha Médica de Família.
 
Estava à minha espera. Aguardei que atendesse dois utentes. Chamou-me pelo altifalante. Cumprimentámo-nos. Sentamo-nos. Entreguei-lhe o envelope e, muito sério, contra o que é meu hábito, com muitíssimo medo, olhei os seus sinais exteriores, para ver se a notícia seria boa ou má!
 
Olhou para mim. Sorriu-se e completou: - Temos homem! Os valores estão a regressar ao normal. Vamos continuar a fazer o tratamento com os mesmos medicamentos.
 
Fiz um sorriso amarelo!
 
Anime-se senhor Marcolino, está para aí a sofrer por antecipação...!!!
 
- Porra Drª., desculpe-me a má educação, mas quem tem cu, tem medo!
 
Muito séria ficou-se a olhar para mim e respondeu-me: - Igualzinha à frase que o meu falecido pai, dizia ao seu médico assistente, antes de morrer; só que ele faleceu com Cancro no Pâncreas em 6 meses, e o senhor Marcolino está a fazer um pesado Tratamento Preventivo, que nada tem a ver com o seu Pâncreas.
 
Desejamo-nos um bom fim-de-semana. Recomendou-me que não me esquecesse das tomas dos medicamentos, e que se até 23 de Julho notasse algo de anormal, que lá fosse falar com ela!
 
De regresso a casa, sentei-me dentro do templo da nossa Igreja, mesmo em frente ao lindo Sacrário e, com lágrimas nos olhos, pedi-Lhe que não me deixasse sofrer por antecipação, para ser, assim, ainda bem mais Feliz...!!!
 
Marcolino Duarte Osório
- Peregrino -
2009-06-13
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 01:49
sinto-me: Estou muitisssimo Feliz!

12
Jun 09

                                               Comentar...

                                               
                                               Fazer comentários
                                               Explicar por meio de comentários
                                               Criticar
                                               Analisar
                                               Mas o Comentário
                                               É uma série de notas explicativas
                                               De um texto
                                               É uma análise
                                               São observações
                                               São explicações
                                               Sobrevalorizadas
                                               A propósito de um facto
                                               Também é uma informação nova
                                               Colocada num enunciado ou num texto
                                               Que é transmitida normalmente
                                               Acerca do chamado tópico ou tema
                                               Por vezes tornam-se
                                               Em Memórias
                                               Em Narrações Históricas
                                               Em que o autor tomou parte
                                               Normalmente até é Critica Mordaz
                                               Normalmente guinda-se ao revanchismo
                                               Num desejo obstinado de vingança
                                               Uma atitude Primária
                                               Uma atitude animalesca
                                               Quiçá agressiva
                                               Intelectualmente predadora
                                               Um espírito de desforra
                                               Característica dos Ditadores
                                               De quem não sabe obedecer
                                               Por falta de educação cívica
                                               Por má educação no seio da familia
                                               A um pedido de contenção
                                               A um pedido de moderação
                                               A um pedido de respeito
                                               A um pedido de civismo
                                               A um pedido silencioso
                                               A um pedido legítimo
                                               Após a destruição de algo
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                               - Peregrino -
                                               2009-06-12
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 02:57

10
Jun 09

                                               Deixei de criar Raízes..

                                              
                                               A Locais
                                                A Gentes
                                               A Culturas
                                               Tudo para deixar de Sofrer
                                               Optei pelos Afectos
                                               Optei pela troca de Afectos
                                               Optei pelo Amor sem Amarras
                                               Com todos os Povos do Mundo
                                               Passei a ser um Homem Livre
                                               Homem de Ideais e Actos Livres
                                               Sem ter que me impor
                                               Nem desejar que se me Imponham
                                               Sou um Peregrino
                                               Que pelo Mundo Caminha
                                               Não em busca de Milagres
                                               Porque Milagrado já o fui
                                               Deus transformou-me
                                               Deus deu-me a Inteligência
                                               A Inteligência de um Peregrino
                                               Que Caminha pelo Mundo de Todos
                                               Que Constrói sem destruir
                                               Que Ama sem Raízes criar
                                               Que Convive com os Povos Mundo
                                               Pleno de Afectos
                                               Em meus Actos
                                               Em meus Escritos
                                               Em meu Falar
                                               Em meu Poetar
                                               Desejando Raízes nunca criar
                                               Olho
                                               Paro
                                                Convivo
                                               Pleno de Afectos
                                               Nunca me enraízo onde estou
                                               Sou olhado
                                               Sou recebido
                                               Sou querido
                                               Amo e Sou Amado
                                               Deixam-me partir sem lágrimas
                                               Quando a altura chegar
                                               Depois
                                               Se um dia calhar
                                               Recordamo-nos
                                               Uns dos outros
                                               Sem mágoas
                                               Sem saudades
                                               Sem medos
                                               Sem quimeras
                                               Porque não criámos raízes
                                               Tocámo-nos nas nossas Vidas
                                               Tratámo-nos com Afectos
                                               Reencontrar-nos-emos
                                               Com sorrisos da Alegria dos Afectos
                                              
                                               Marcolino Duarte Osório
                                               - Peregrino -
                                               2009-06-10
 
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 15:50
sinto-me: I love the Blue Planet

Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
27

29


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO