24
Mai 11

 

Poeta Boémio...

 

Poeta Boémio

Boémio poeta acorda lá

Dessa longa noite de fados

E vem ter connosco dias a fio

Para conversar e fazer versos

Versos às mesas dos cafés

Pelos bancos dos jardins

Nas paragens de autocarros

Pelos lindos miradouros

Das cidades onde vagabundeias

Sem cansado nunca ficares

Poeta boémio

Boémio poeta pés a caminho

Para com outros poetas

Todos os fados se apagarem

E mil sorrisos despertarem

Para que este mundo inolvidável

Só de rostos felizes se cubra

Sem sulcos de amargas lágrimas

Nem rosas castanhas por secarem

Sentadas às esquinas dos Tempos

Dos Tempos de um Tempo já finado

Cremado por passado em sofrimento

 

Marcolino Duarte Osório

- Peregrino -

2011-05-24

publicado por Marcolino Duarte Osorio às 00:12
sinto-me: com coração de poeta...!

Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
16
19

23
25
26

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO