18
Jan 10

Sentado à Lareira...

 
De labaredas centelhantes
Com os seus usuais estalidos
É como nos serões gelados faço
Numa produtiva Quinta
De gente minha amiga
Delicio-me aos serões
Serões numa pequena Aldeia
Outonos muito frios
Invernos são de gelo
Primaveras mais amenas
Verões de estalar granitos
Este fim-de-semana
Por eles fui convidado
Cheguei de comboio
A uma cidade dali próxima
Tinha à minha espera
Um dos da Quinta
No seu velho todo-o-terreno
Lá fomos à conversa
Entramos pelo grande portão de carvalho
Estacionamos junto às cortes
Apareceram dois cães guardas
Felizes por me cheirarem
Fiz-lhes as festas do costume
À minha volta na paisagem bucólica
Sobressaíam árvores despidas de folhas
Quase todas
Digamos que a maioria
Eram das de folha caduca
Os esguios ramos já escuros
Como braços estendidas aos Céus
Mãos com dedos bem afastados
Crispados de dor
Suplicando amenidade da bonança
Era já final de dia
O lusco-fusco transformava-se em bréu
Os cheiros da terra húmida eram típicos
Dos estrumes e fumos de pequenas fogueiras
Inspirei bem fundo
Saboreei aquela mescla de perfumes naturais
Abriu-se-me o apetite
Numa grande cozinha de aldeia
Sentados em familia
Ao redor de uma larga e tosca mêsa de madeira
Jantamos Caldo Verde com tora
Sardinhas magras envoltas em broa
Pequenos pedaços de presunto
De sabor apurado pelo vinho tinto
Vinho da última colheita daquela Quinta
Castanhas da casa cozidas na hora
Acompanhadas de Cevada fresca bem quente
Matutava nisto tudo
Meus pensamentos íam-se adormecendo
Senti-me quentinho e amodorrado
Olhei demoradamente o castanho do meu uísque
Pousei o copo na soleira da lareira
Respirei bem fundo
Sentindo dentro de todo o meu ser
Os cheiros dos lumes da ardente lareira
Estiquei-me perguiçosamente tranquilão
Fechei os olhos
Deixei-me embalar pelo crepitar...
 
Marcolino Duarte Osório
- Peregrino -
2010-01-18
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 02:57
sinto-me: Num belissimo serão de aldeia!

Olá Marcolino!

Que relato emocionado que faz do seu fim-de-semana, em forma de Poema! São fins-de-semana assim, na presença dos amigos, que nos enchem a alma, não é?

Grata pela partilha,

Maria José
Maria José a 18 de Janeiro de 2010 às 12:13

Olá, Maria José!
Obrigado pela sua visita e por ter gostado deste meu poema!
Boa semana para si!
Abraço
Marcolino

Marcolino:
Com essa descrição tão cinematográfica "senti-me" com se estivesse também nessa quinta
;)
Gostei
Abraço
Marta M a 19 de Janeiro de 2010 às 10:33

Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

13
16

20

24



mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO