03
Mai 10

Condescender...

 

Ontem

Depois das festividades

Relacionadas com o Dia da Mãe

Encontrei reunidos

Sob a capa da Condescendência

Alguns membros

De uma família desunida

Por questões desastrosas

Onde reinam apenas

A mentira

A maledicência

A desumanidade

Olhei-os de frente

Seus semblantes revelavam

A falsidade daquela condescendência

Uma Velha Matriarca

De ar seraficamente sonso

Era quem comandava aquela Mentira

Para que aos olhos dos outros

Uma família unida devesse parecer

Aquele sacrifício de condescender

Até nem custaria muitas horas

Até seria esquecido

Sem grandes pesares

Até ao Dia da Mãe do ano seguinte

Porque mal se separassem

Voltaria ao tudo como dantes

Armas engatilhadas

Semblantes duros de maldade

Bocas tortas de tanta mentira dita

Condescender

Nunca foi aceitar deliberadamente

De corações abertos

E Almas plenas de Afectos

Condescender foi sempre

Terra de Ninguém

Plena de interesses recônditos

Para que certos fins sejam atingidos

Momentaneamente

Principalmente os do Socialmente Correctos

Condescender

Fronteira entre o Bem e o Mal

Onde até Deus tem vergonha de olhar

 

Marcolino Duarte Osório

- Peregrino -

2010-05-03

publicado por Marcolino Duarte Osorio às 02:04
sinto-me: de coração destroçado...!

Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12

18
19
20
22

24
26
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO