08
Mar 11

 

És Flor...

 

És Flor delicada

Que desabrocha dia-a-dia

És linda e comunicativa

Como o Rei Sol o é

És tímida mas serena

Tal como a Lua se me mostra

Tens Vida dentro de ti

Vida plena da tua Natureza

Um dia gostaria de te conhecer

 

Marcolino Duarte Osório

- Peregrino -

2011-03-08

publicado por Marcolino Duarte Osorio às 08:06
sinto-me: feliz...!

04
Dez 10

 

Hoje está frio...

 

Bastante frio fora da época

Não vejo flocos de neve

Sinto a Mãe Natureza congelada

O sol não se me mostrou

Permaneceu escondido o dia todo

Lá bem atrás das nuvens baixas

Cinzentas e geladas

Olhei para cima

Nem Céu

Nem Pássaros

Nem Aviões

Nem Sons

Estava tudo bem escondido

Desejei sair para esticar as pernas

Enregelei num ápice

Fiz meia-volta regressei a casa

Liguei a minha máquina Delta Q

Enquanto trocava de roupa

Por outra bem mais prática

Leve e bem quentinha

Luz verde acesa

Cápsula no devido lugar

Chávena preparada para encher

Carreguei no botão

O espesso liquido castanho escuro

Precipitou-se na alva chávena

No topo ficou linda e espessa espuma

Peguei na chávena pela branca asa

Aproximei-me da janela

Com as vidraças meio embaciadas

Sorvi um belo trago deste café

Sorri-me com prazer

E num dos vidros desenhei

Amo muito a Minha Vida!

 

Marcolino Duarte Osório

- Peregrino -

2010-12-04

publicado por Marcolino Duarte Osorio às 23:16
sinto-me: muito feliz...!!!

10
Jan 10

Lá fora chove...

 
Lá fora chove
Lá fora está de gelar
Não há Sol para me aquecer
Apenas um cobertor para me enrolar
Cobertor humedecido
Pelas lágrimas da minha gélida solidão
Faz-me sentir ainda mais frio
Faz-me recordar com saudade
Naqueles dias gelados
Ambos
Tu e eu
Encostadinhos um ao outro
Segredando-nos poemas de amor
Que nos davam alento e humano calor
Da minha vida já partiste
Por aqui ainda ando
Triste
Vazio
Aguardando pela minha partida
Para a ti me juntar
Entretanto ao bom Deus perguntei
Porquê este meu sofrimento
Depois do Tempo do Tempo teu
Findado se havia
Respondeu-me pacientemente
Só daí partirás
Quando todas as tuas Recordações
Sofrer não te façam sentir
 
Marcolino Duarte Osório
- Peregrino -
2010-01-10
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 11:52
sinto-me: Para quê uma Saudade Triste!?

28
Dez 09

Deveres e Direitos...

 
Ter filhos
É receber uma dádiva da Vida
Vida entre dois Seres
Que se encontram
Nas suas Caminhadas
Suas Vidas tocam-se
Por Tempo indeterminado
Sempre no Tempo do tempo
Do Tempo do tempo dos seus Tempos
Os filhos nascem indefesos
Há que dar-lhes assistência primordial
Para que se nutram
Para que cresçam em segurança
Para que aprendam a viver autonomamente
Para que naquele aprazado tempo
Quando chegada a Hora
Partam de armas e bagagens
Em busca da sua Vida Própria
Estes são os deveres fundamentais
De dois progenitores
Quando Deus lhes entrega
Um ou mesmo mais filhos
Quando os filhos partem
Quanta mágoa se instala
Dentro de cada progenitor
Porque sempre se acharam no direito
De nunca se apartarem de seus filhos
E assim jamais deixam seus descendentes
Partir em Paz
Partir com Alegria
Para descobrirem o Mistério desta Partida
E darem de novo à Vida que lhes acontece
Novos Seres
Que de si dependerão
E de si partirão para novos Ciclos de Vida
 
Marcolino Duarte Osório
- Peregrino -
2009-12-28
publicado por Marcolino Duarte Osorio às 10:03
sinto-me: DE Missão Cumprida...!

Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO