06
Jun 11

Imagem recolhida na Internete

 

 

A Inspiração...

 

A Inspiração

Não me aparece quando quero

Não se apresenta quando mais desejo

Aparece durante o sono mais profundo

Obriga-me a saltar do conforto da cama

Nas quatro estações do ano

Meio ensonado ligo o PC

Esfrego os olhos sem saber o que vou fazer

Chamo o Word e abro uma nova página

Num repente toma forma na minha mente

Um desmoronar do abecedário

Como se tivesse aberto um pacotinho de sopa de letras

Descuidadamente as tivesse atirado ao ar

Milhares de letras passam pela minha mente

Não sei qual delas agarrar primeiro

Depois vem uma calma diferente do usual

Teclo a primeira letra

Teclo a segunda letra

Teclo a terceira letra

E assim vai nascendo um título ou o mote da estorinha

Meus dedos entram em alegria

Brincalhões gostam de pular de letra em letra formando palavras

As palavras dão-se as mãos cantam e rodopiam

Ao som da estorinha que vai tomando forma

Há sempre uma palavra que determina o final

Com se de um enorme suspiro se tratasse

Quando escrevo

Umas vezes rio-me sozinho alto e bom som

Como se estivesse contando algo de muitíssimo divertido

Outras vezes as lágrimas correm-me cara abaixo

Como Torrentes de Desespero de uma Vida já Passada

Quando acabo de escrever coloco a estorinha no meu Blogue

O sono vem tranquilamente avisar-me que são horas de redormir

No dia seguinte ao acordar distraidamente leio aquilo que escrevi

Porque de cada vez que vos escrevo esvai-se-me tudo da memória

O porquê nunca soube responder

A Inspiração...

 

Marcolino Duarte Osório

- Peregrino -

2011-06-06

publicado por Marcolino Duarte Osorio às 01:07
sinto-me: mais feliz que nunca!

17
Nov 10

 

Sem inspiração...

 

Mas isto não bem verdade

Inspiro-me avulso

Lendo

Ouvindo

Olhando

Mas por vezes aqueles motes

Dos que me rodeiam

Tornam-se confusos demais

Para a minha mente de velho

Sempre em busca do mais perfeito

Há em mim

Algo de muito forte

A quem chamo de Fonte Inspiradora

Que nesses momentos de confusão

Me obriga a dedilhar este belo teclado

Letra a letra

Palavra a palavra

Fazendo-me ver amplamente

Que de dentro de mim pode brotar em poesia

A minha falta de fontes inspiradoras

Fazendo crescer este texto

De cima para baixo

Numa arvore plena de ramos assimétricos

Que nasce invertida

Com as suas Raízes nos Céus

E o seu Cume roçando a Terra

Onde cada um de vós aqui vem

Colher apenas das folhas do Cume

Nunca conseguindo tocar nas Raízes presas aos Céus

Fazer poesia é isto

São faltas de Inspiração

Transformadas em palavras aleatórias

Que a ninguém causam confusão

 

Marcolino Duarte Osório

- Peregrino -

2010-11-17

publicado por Marcolino Duarte Osorio às 00:30
sinto-me: inspirado, novamente...!

Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO