16
Mar 11

 

Gosto de te olhar...

 

Gosto de te olhar

Quando à janela chego

Meu olhar se espraia sem fim

Por esta paisagem das lezírias

Outrora Celeiro de Lisboa

Hoje em dia

Viveiro de bairros periféricos

Plenos de dilemas e desajustes

Mas eu que já aqui tive o meu quinhão

Olho-te com eterna ternura

Aquela ternura silenciosa

Que só aos Velhos é peculiar

Gosto de te olhar

Gosto das nuvens passantes

Desenhando sombras fantasmagóricas

Sobre telhados e todos os vales

Gosto das mansas brisas matinais

Gosto do teu eterno perfume das lezírias

Gosto de ver subir os nevoeiros matinais

Gosto dos montes e vales

Mesmo aqueles rasgados pelas autoestradas

Mantêm a sua primitiva beleza

Beleza sem fim

Da sua natureza naturalmente natural

 

Marcolino Duarte Osório

- Peregrino -

2011-03-16

publicado por Marcolino Duarte Osorio às 08:25
sinto-me: feliz...!

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
17
18

23
26

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO