16
Fev 14

 

Um adeus que me custou demais

 

Um adeus que me custou demais

Foi o que tive que dar

Lágrimas de saudade tive que conter

Por um velho amigo da minha idade

Nunca imaginei ter que o fazer

A um ser tão são e robusto

Porquê morrem

Aqueles de quem gostamos

Porquê morrem

Aqueles companheiros de longas jornadas

Que nos ajudaram e a quem ajudámos

Que nos escutaram e a quem escutámos

Que nos abraçaram e a quem abraçámos

Que comigo choraram

Pela partida de velhos amigos comuns

Um a um íamos vendo partir à nossa frente

Nunca desejando imaginar

Entre todas as velhas e sãs amizades

Qual de nós seria o próximo

Por cá fiquei vivendo um dia de cada vez

Sem amarras ao velho passado

Sem me amedrontar com o futuro que há-de vir

O futuro só a Deus assiste

O presente a mim assiste viver tranquilamente

De cada velha e longa amizade já partida

Dentro de mim guardo todas as recordações

Umas fazem com que me sorria

Outras dão-me que pensar

Um adeus que me custou demais

Foi o que tive que dar

A um velho amigo da minha idade

 

 Marcolino Duarte Osório

          - Peregrino -

          2014-02-16

publicado por Marcolino Duarte Osorio às 02:29
sinto-me: Adeus meu grande amigo...

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
22

25
26
27
28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO